Ana Cristina Rodrigues

Ana Cristina Rodrigues é historiadora de formação e faz muitas outras coisas. Além de criar gatos, um filho e o marido, trabalha na Biblioteca Nacional desde 2006. Mas seu negócio sempre foi ler e escrever.

Seu primeiro trabalho foi uma fantasia épica de batalha do Bem contra o Mal que foi para o lixo. O segundo, uma fanfic de Jornada nas Estrelas para um trabalho da 8ª série (ela é da época em que existia Primeiro Grau). Ou seja, mais do que escrever, ela gosta de escrever Fantasia e Ficção Científica. Nunca desistiu disso e aos poucos foi publicando seus contos aqui e ali, no Brasil e no Exterior.

Enfim, assumiu a literatura fantástica como causa para a vida e talvez seja por isso que acredite em bruxas, apesar do resto do mundo dizer que são um pouco mentirosas.No momento, sua atenção está voltada para homens-morcegos e cavalos sem nome. Num deserto.

É autora de Anacrônicas – contos mágicos & trágicos, entre outros contos e participações em antologias.

Twitter | Facebook

Atlas Ageográfico de Lugares Imaginados

No mesmo momento transdimensional, três cidades foram traídas e deixaram de existir.

Os três traidores sumiram. Clio, de Biblos, saiu da cidade ainda em chamas buscando o exílio. Uma tempestade, provocada pela instabilidade dos equipamentos de controle climáticos da cidade danificados no incêndio, fez com que ela desaparecesse. Um dos sobreviventes de Shangri-lá, o único humano a habitar a cidade, viu Íbis ser levado por três figuras e desvanecer-se no ar. O “Atlas ageográfico…” foi um dos livros que escapou do incêndio.

Quando Clio acorda em um deserto desconhecido, o livro está no meio das suas poucas posses. Ela não se lembra quem é ou como foi parar ali. Encontra Íbis, que está conformado com seu destino. Os dois se põe a cruzar o deserto e a sua jornada vai trazendo de volta as memórias de ambos e preenchendo o livro.

Original disponível