Gaby Brandalise

gabyGaby Brandalise é jornalista, assessora de imprensa, ghostwriter, escritora e pós-graduada em Produção e Revisão de Texto. Também fez cursos de Romance, de Escrita Criativa, de Arte Contemporânea, de Roteiro, de Aprimoramento Textual e de Criação de Narradores.

Começou escrevendo fan fictions de cantores, bandas e seriados. Depois, partiu para romances, crônicas, artigos, protestos, poemas e até músicas. E assim foi forjada em meio às palavras.

Tem um canal no Youtube, é casada e tem um gatinho lindo chamado Gandalf (que tem esse nome porque é cinza e meio velho). Considera-se viciada em pasta de amendoim e dramas coreanos. No mais, segue iniciando os regimes às segundas. E costuma ouvir “cravo e canela” sempre que se apresenta.

Minha Trilha Sonora é Você

Livia achou que aquela seria apenas mais uma temporada de Natal na casa do irmão mais velho em Nova York, com a mãe. O que ela não imaginava é que encontraria o celular do seu ídolo, o cantor Jake Saunders.

Mas ao conhecê-lo pessoalmente, Livia tem a maior decepção da sua vida e descobre que até ali havia admirado alguém que não existia. Jake Saunders era, na verdade, um garoto arrogante e grosseiro.

Ansiosa para devolver o celular que encontrou e se livrar do cantor, Livia recebe uma notícia desanimadora: o encontro deles havia causado uma confusão na mídia e os dois percebem que, se quiserem resolver a série de mal-entendidos, vão ter que conviver e trabalhar juntos.

A medida que se aproxima de Jake, Livia desvenda os mistérios por trás de tanta arrogância e descobre que o cantor famoso esconde, na verdade, muitos segredos.

Original disponível


Um Quase amor

“Sinopse, certo. Eu diria que você está prestes a ler uma história sobre um quase amor contada por uma narradora espetacular. Ok, isso está no título, ficou meio redundante. Eu diria, então, que é uma história sobre Benjamin (bronzeado perfeito, de biscoito de Natal), que gostava de Julia Mei (japonesa linda com uma pegada Demi Lovato), que no caminho topou com um cara de dreads e tatuagens, que conheceu Leo, irmão de Benjamin, que gostava de Candi, mas que o trocou, um gato daquele, por um imbecil chamado Davi.

Confuso? Tá, então que tal o seguinte: imagine uma história de emaranhados amorosos (e eu pararia agora para contemplar “emaranhados amorosos” / uau, fui eu que escrevi isso?), com desdobramentos que fariam Amy Harmon aplaudir, contada por uma narradora que ignora técnicas de texto, louca por frases gigantescas e que é totalmente confiável porque tem 1) uma memória infalível e 2) opiniões consistentes sobre os fatos. A narradora sou eu. E quem sou eu? Se eu te contasse, não seria uma sinopse, seria spoiler.

Gaby Brandalise ajudou? Ajudou um pouquinho. E eu só deixei porque ela é jornalista há 14 anos, está no mercado desde 2012, quando publicou seu primeiro livro, estudou escrita criativa, roteiro, e mais um monte de coisa.”


Pule, Kim Joo So

A jovem brasileira Marina odeia o emprego de jornalista no aeroporto de Curitiba e sofre com a saudade dos pais, mortos em um acidente. Como se não bastasse, quase todos os dias, precisa se defender das agressões do ex-namorado e tratar dos ferimentos causados por ele.

Um dia, ela encontra no aeroporto um homem coreano, machucado e muito assustado. Sem saber por que, decide  ajudá-lo. A partir daí, a vida de Marina muda e ela descobre que tem algo em comum com o desconhecido: os dois precisam mudar a própria história.

“Pule, Kim Joo So” é inspirada nos dramas coreanos, também conhecidos como kdramas, que por tantas vezes,  fizeram Gaby Brandalise dar pulos no sofá, chorar antes de dormir pensando no final de uma história e se apaixonar pela tragicomédia.